Arquivo da tag: USP

Por nós

Minha mudança pra São Paulo aconteceu há 3 anos, exatamente no Dia dos Pais. Difícil esquecer a cara de apreensão que se apoderou do rosto do meu pai enquanto eu entrava no carro do meus amigos que me levariam ao aeroporto (não conseguiria deixá-lo fazer isso).

A partir desse dia, pelos próximos 7 meses eu seria acordada todo domingo pela frase “Oi, filhota.”. Geralmente meio sonolenta, balbuciava palavras clichês até finalmente entrar no status da vida em SP. A ligação, via de regra, terminava com um tom de tristeza e uma frase que demorei anos para entender “Quando você volta?”. Confesso que, não raro, ficava irritada. Parecia que torcia para que eu não desse certo aqui.

Quanta ingenuidade, a interpretação não poderia ser mais equivocada. Era justamente o contrário. Ele testava o quanto eu estava feliz nessa terra. Sabia que morar em uma cidade cinzenta, com pessoas endurecidas e “treinadas” a sobreviver constantemente competindo seria um cenário bem difícil para uma pessoa como eu – dependente de sorrisos, demonstrações de carinho e belas paisagens para contemplar. Toquei as Cataratas do Iguaçu pela Avenida Paulista. “Troquei” amigos-irmãos por “estranhos”. Troquei um projeto editorial que amava por uma aposta. Ele não torcia contra, só queria me motivar a ser forte, a ser a “baixinha teimosa” que educou com tanto amor.

Poucos meses depois da minha mudança para SP ele se foi. E como lidar com a sensação de que em seu último Dia dos Pais foi justamente quando o “abandonei”? Esse sentimento me acompanhou por muito tempo. Mas, conhecendo meu velhinho, hoje compreendo que foi justamente o contrário. Ele sempre me educou para ser uma pessoa que corre atrás do que quer, que não espera nada de ninguém – “vá lá e faça por você, mas sempre com respeito e ternura”. Ele me ensinou ainda que, mesmo levando rasteira das pessoas, temos que ser bons – “Não importa o que o outro faz de errado, mas o que você faz de bom”. Outro valor reforçado com vigor por ele era a importância de estudar muito e sempre. Não por acaso, minha última promessa é que faria mestrado na USP e cá estou. Por você, por mim, por nós. E, uma das lições mais lindas que tinha diariamente, nas suas pequenas ações no dia a dia, era a importância de ser honesta, correta, franca, respeitosa e protetora com todos que fazem parte da nossa vida – “dinheiro a gente perde, pessoas a gente protege, cuida e ama”.

Ele nem sabia, mas tinha me preparado exatamente para morar em SP. Ter saído pela segunda vez de casa justamente no último Dia dos Pais não foi acaso e menos ainda abandono. Eu mostrei para ele que estava pronta pro meu vôo solo, tendo por proteção os ensinamentos que ele tão brilhantemente me passou nesses anos todos. Hoje o sentimento não é de saudade, mas de gratidão. Não é de saudade porque tem tanto dele em mim que será sempre uma das pessoas mais presentes no meu dia. Obrigada universo por ter me dado um pai exatamente assim.

P.s: irmão e cunhados, justamente por ter um pai tão incrível, não deixei ocuparem o lugar dele. Sou a caçula, mas estou pronta para voar tendo-os apenas como irmãos, amados irmãos. O pai sempre estará “por aqui”.