Sobre quintanear…

Minha família, especialmente minha irmã, sempre riu da minha memória prodigiosa desde pequena para lembrar de situações corriqueiras. Lembro da perna “rasgada” em uma torneira com poucos anos, de cair dentro de um freezer na tentativa de pegar algo (porque, óbvio, era uma anã aos 5 anos – e ainda continuo sendo), dentre outras histórias ~~estranhas~~ que só eu consigo (é meu jeitinho).

Além das bizarrices, como diria Gabriel Ishida, uma em especial fez toda a diferença para despertar uma paixão que nunca se findou. Na primeira série, sem saber articular um parágrafo direito – lembrem-se que sou balzaca, logo não nasci com super poderes como as crianças de hoje – vi um livro de um poeta gaúcho na mesa da minha professora. Fui reparando que a cada semana ela estava com um livro diferente, mas sempre desse autor. Aprendi o sentido da palavra aficionada, embora não soubesse pronunciar a dita cuja e menos ainda escrevê-la. Curiosa que sou, perguntei porque ela só lia essa pessoa e como alguém poderia ter tanto livro. Ela falou que ele tinha dezenas. Na época achei lorota. Eu demorava horas para fazer meia dúzia de frases, como alguém poderia ter escrito dezenas de livros.

Certa vez, em uma das minhas redações, junto com a nota e a tal das estrelinhas – critério discutível que professores do Ensino Fundamental atribuíam aos alunos (considerava bullying – outra palavra que não saberia escrever e tão pouco que existia) minha professora escreveu uma frase: “Eles passarão… eu passarinho”. E lá foi o projeto de criança (com meu “imponente” 1 metro de altura) perguntar o que significava. E ela respondeu: “minha aula extra pra você, um pouco de Mário Quintana”.  Mal sabia ela a encrenca que se meteu. Dia sim, dia também, eu fazia ela me falar alguma frase dele na hora do intervalo. E assim esse gauchinho entrou na minha vida, para não sair jamais. Não lembro o nome da professora – sorry, foi mal aê, tia – mas aprendi direitinho a “aula extra”.

Quanto mais lia sobre o poetinha das coisas simples, mais me encantava por ele, por histórias, por escrever, pelo cotidiano, pelo simples e por “ler pessoas”. Cada poesia de Mário Quintana é um estudo antropológico escrito em verso, de forma leve e intensa, ficcional mas carregado de realidade. Aprendi a interpretar pessoas por meio de seus textos. E olha, o mundo fica bem mais compreensível – embora nem sempre agradável – sob o filtro quintaneano. Não à toa, virou tatuagem, minha preferida.

Sexta é dia de conhecer mais um pouquinho desse gauchinho, visitando seu museu, em Porto Alegre. É o que é possível, pois infelizmente o desejo de conhecer aquele rabugento e ainda assim doce “vozinho” nunca se materializou. Mas a cada texto meu, tem um pouquinho dele. E cada texto dele, tem um montão de mim. Vou chorar? Claro.

Deixe uma resposta